Mauro Segura

Quem sou eu? Me formei em engenharia e análise de sistemas, e em seguida fiz uma pós-graduação em marketing. Tenho mais de 30 anos de experiência em comunicação, marketing e vendas nas áreas de tecnologia e telecomunicações. Atuei como executivo de marketing e comunicação em grandes organizações. Nos últimos 25 anos, ocupei posições de diretor ou VP, sempre me reportando a presidentes e gerentes gerais de empresas. Me especializei na implementação das mídias sociais, em comunicação interna e externa, e no uso do marketing analítico nas empresas, áreas que continuo estudando. Fui colaborador ativo de vários blogs, como Meio&Mensagem e Café Brasil, onde produzi conteúdo sobre comportamento, marketing e comunicação na era da sociedade digital. Fui também muito ativo no LinkedIn. Sou apaixonado por tecnologia e mídias sociais, mas também adoro ser jardineiro e cozinheiro nos finais de semana. No ano de 2020 deixei o mundo corporativo por vontade própria, para viver hoje um período sabático, repensando a minha vida pessoal e profissional, especialmente depois da partida de sua amada esposa devido a um tratamento de câncer que provocou muitas marcas e aprendizados. Desenvolvi esse blog com o intuito de compartilhar um pouco do meu conhecimento, experiência e pontos de vista sobre a vida de forma geral. Passei muitos anos escrevendo sobre o mundo corporativo e do trabalho. E, agora, como um profissional mais experiente e completo, passei a escrever mais sobre a vida como um todo, abordando muitos aspectos pessoais. Me sinto um privilegiado por ter pessoas interessadas no que produzo. Um abraço e obrigado por ter chegado aqui nessa leitura. Mauro Segura.

A minha experiência com o luto ou Os 7 primeiros meses sem Ela

Pego o papel e lá me pergunta o estado civil. Escrevo “viúvo”. Que palavra estranha, não me veste bem. Ainda não me acostumei e nem sei se vou me acostumar. Gosto mais das palavras “sozinho” ou “solitário” (tenho consciência que são palavras com significados diferentes), que não são uma representação verdadeira da minha atual realidade,… Continue a ler »A minha experiência com o luto ou Os 7 primeiros meses sem Ela

Cartas para Regina

Há mais de um ano, exatamente no dia 20 de março de 2019, eu estava em casa, trabalhando em home office e participando de uma videoconferência de trabalho no final da tarde. Era uma reunião muito difícil e tensa. Estávamos há quase duas horas em reunião e eu já estava esgotado mentalmente. De repente, a… Continue a ler »Cartas para Regina

As plantas que nascem por entre as pedras do meu luto

Eu cheguei de viagem e fui direto para a varanda perto do jardim. Estava muito cansado. Sentei e olhei para aquele chão de pedra. Inesperadamente, notei que havia uma plantinha nascendo, no meio daquelas pedras. Era uma guerreira da vida. Fui lá para ver de perto, e fiz a foto que ilustra esse artigo. Foi… Continue a ler »As plantas que nascem por entre as pedras do meu luto

A minha viagem de 60 anos

Eu “peguei” a estrada ainda desconfiado da minha viagem solitária. Eu não estava certo se iria curtir, apesar de estar convencido que eu faria de tudo para tornar essa viagem um marco para o meu novo ciclo de vida. Eu não me planejei para ir a lugares sofisticados, exóticos ou distantes, e muito menos ter… Continue a ler »A minha viagem de 60 anos

Sobre fazer 60 anos

Cheguei aos 60! Confesso, pesaroso, que eu nunca dei muita importância para aniversários. Aliás, nem lembro quantos pedidos de desculpas eu dei para a minha amada Regina por conta disso. Ela amava aniversários, muito! Eu nunca esqueci os aniversários dela e os nossos aniversários de casamento, mas os meus eu nunca dei atenção. Esse seria… Continue a ler »Sobre fazer 60 anos

Eu e minha caverna

Carta escrita para Regina em 28-06-2020. Amor. Hoje eu tomei uma decisão importante e preciso dividir com você. Quando você partiu, há 4 meses, a sensação de perda foi enorme. Enfrentar a realidade da sua ausência física me provocou imensa dor. E tudo piorou quando me dei conta que o meu futuro seria sem você.… Continue a ler »Eu e minha caverna