Como as organizações chamam seus colaboradores

As organizações estão muito preocupadas no desenvolvimento da cultura corporativa e no engajamento dos funcionários na estratégia e nos objetivos da empresa. Criar senso de pertencimento e orgulho parece ser algo importante para tais organizações. Isso vale para empresas centenárias como a IBM e até organizações mais “jovens” como o Google. Pertencer a essas empresas é algo muito especial, é quase fazer parte de uma família.

Veja como determinadas empresas chamam seus colaboradores em sua comunicação interna:

Quem trabalha na Petrobras é Petroleiro;
Quem trabalha na Embratel é Embratelino;
Na Editora Abril é Abriliano;
Na IBM é Ibmista;
Na Promon é Promoniano;
Na Embraco é Embraqueano;
Na Camargo Corrêa é Camargueiro;
Na Marcopolo é Marcopolino;
Na Motorola é Motorolano;
Na Accenture é Accenturiano;
Na Senac é Senaquiano;
Na Rossi é Rossiano;
Na Algar é Algariano;
Na PepsiCo é PepsiCano;
Na Embrapa é Embrapiano;
Na agência de comunicação Inpress é Inpressionante;
Na Avaya é Avayano;
Na Ogilvy&Mather é David, em homenagem ao fundador da empresa David Ogilvy.

Já algumas empresas não adotam nomenclatura em português e usam aquela praticada no mundo, como:

Os que trabalham na Danone são Danoners;
E no Google são Googlers.

Muitas vezes não existe uma nomenclatura adotada formalmente pela empresa, mas acaba surgindo uma outra informalmente usada pelos funcionários e que circula nos corredores da empresa, como por exemplo:

Quem trabalha na PDG é chamado de Pdgeiro;
Na L’Oreal é L`Orealista;
Na Unimed é Unimediano;
Na Tetrapak é Tetrapakito;
Na Mapfre é Mafreano.

Em muitas empresas não se usa tais nomenclaturas.

Os que trabalham na Oi, Natura, HP e Contax são chamados de Colaboradores;
A Vale chama de Empregados;
A Cyrela adora falar que os Colaboradores pertencem a “Família Cyrela”.
E o Banco Central chama de Servidores do BC

Ahh… na Algar, além de serem Algarianos, eles também se tratam como Associados.

Enfim, cada organização com seu jeito e estilo.

Pesquisa realizada pelo autor e publicada na revista Você SA em nov/2012