Comunicado da Monsanto

Como já escrevi anteriormente, eu sou um apreciador e colecionador de comunicados das empresas. Tenho um post exclusivo sobre esse assunto. Pode ser publicação nos jornais, nas revistas, email, anúncios na TV, etc. Veiculou? Eu estou lá prestando atenção.

Na maioria das vezes, as empresas usam os comunicados em situações críticas e adversas. Vale a pena conhecer e estudar os movimentos das corporações para ver como que elas tratam casos complicados. A gente sempre acaba aprendendo com isso.

Agora quem está passando por uma situação delicada é a Monsanto no Brasil.

Chega no Brasil um documentário que já havia sido lançado em março de 2008 na França. O documentário, filme e livro, traça a história da empresa com claro foco nos perigos do crescimento exponencial das plantações de transgênicos.

A autora é a francesa Marie-Monique Robin, jornalista independente, polêmica e autora de outros trabalhos parecidos. Ela cita que a empresa comercializa 90% dos cultivos transgênicos no mundo. O título, irônico, é “O mundo segundo a Monsanto”, que denuncia o estilo escolhido pela jornalista ao desenvolver o tema.

Um capítulo do livro chamado “Paraguai, Brasil, Argentina: A República Unida da Soja” cita claramente o nosso país e relata uma série de fatos relacionados à “política da soja”, numa das maiores regiões de produção de soja no mundo.

A versão em português do documentário, e livro, é agora lançada no Brasil. A autora está em nosso país e tem agenda cheia, repleta de apresentações e muito apoiada por entidades ambientalistas, que abrem seus espaços e agendas (generosamente!) para dar visibilidade ao caso. E o caso vem obtendo grande repercussão, especialmente nas mídias online e blogs.

A Monsanto vem tratando o caso com muito cuidado. Existe um comunicado bastante longo da empresa em seu site na internet, mas não vi nada publicado na mídia impressa e a empresa vem negando pedidos de entrevistas. Por outro lado, existe um comunicado da empresa circulando na internet, de modo viral, que vem se multiplicando pela própria onda dos internautas. Ou seja, o comunicado tem circulado entre formadores de opinião, influenciadores e interessados no caso. Não tenho conhecimento de outras ações feitas pela empresa. Eis abaixo o comunicado, chamado de “Carta ao Público Externo”, circulando na rede…

CARTA AO PÚBLICO EXTERNO

Como alguns de vocês devem ter lido ou ouvido na imprensa, acaba de ser lançado no Brasil um filme produzido por uma jornalista francesa sobre supostas posturas da Monsanto ao longo de sua história.

Este material está sendo extensamente divulgado por algumas entidades ao redor do mundo, com o intuito de denegrir a imagem da empresa. Acreditamos tratar-se de mais uma ofensiva por parte de setores movidos pela ideologia, e que parecem ainda não aceitar a evolução científica que vem se mostrando capaz de proporcionar importantes inovações para a agricultura moderna.

Dentre os principais benefícios que hoje estão à disposição do agricultor estão a possibilidade de escolher entre uma maior diversidade de tecnologias que pretende utilizar – desde a agricultura considerada orgânica até a denominada convencional ou aquela baseada na biotecnologia, avaliando os benefícios ambientais e sociais que cada tecnologia oferece e a produtividade que poderá extrair de sua propriedade. A biotecnologia agrícola tem se mostrado, ao longo de seus cerca de 30 anos de pesquisas e mais de 12 anos de plantio comercial em diversos países, uma moderna ferramenta para aumento da produtividade, com melhor preservação ambiental e maior inclusão social.

Exemplos disso podem se notar na maior produtividade por hectare plantado, o que pode permitir a redução de abertura de novas áreas de mata nativa para uma maior produção de alimentos; a menor utilização de inseticidas para controle de pragas e o menor custo total por hectare plantado, que tem já beneficiado diretamente os pequenos agricultores de várias partes do mundo e incentivado a adoção do plantio direto.


No Brasil, temos excelentes exemplos destes benefícios, desde o plantio da soja Roundup Ready que tem se mostrado um grande aliado dos agricultores do Sul do Brasil, composto quase que exclusivamente por pequenos agricultores organizados em cooperativas locais, até a mais recente experiência de sucesso no norte do estado de Minas Gerais, na região de Catuti, onde a cultura do algodão Bollgard tem sido a responsável pela recuperação daquela comunidade. Este exemplo pode ser visto e melhor entendido ao assistir o vídeo “A Semente da Mudança”, produzido pela produtora Toureg e pela renomada jornalista Ana Paula Padrão (www.monsanto.com.br ou www.youtube.com/monsantobrasil) e, a partir de 11/12/2008, o impacto que ele teve na região, na produção denominada “Do sonho à realidade”.


Além dos benefícios que os produtos da empresa têm demonstrado para o país, a Monsanto também tem contribuído intensamente e se mostrado uma importante parceira da sociedade brasileira através de seus programas socioambientais e de educação. A Monsanto tem investido mais de R$ 3,5 milhões por ano nessa área com programas como: CineMonsanto, que desde 2005 já encantou mais de 110 mil pessoas de 10 estados brasileiros que nunca estiveram em um cinema antes; Crianças Saudáveis, Futuro Saudável, que já beneficia mais de 50 mil crianças do ensino fundamental com tratamento de doenças que retardam o desenvolvimento escolar, e com a implementação de hortas escolares desde 2000; Projeto de Monitoramento da Onça-Pintada, que monitora a população deste importante felino em diversos biomas, como o Cerrado e o Pantanal, de forma a preservá-la e evitar desequilíbrios ambientais; Cidade dos Meninos, em Campinas (SP), que resgata a dignidade e proporciona o aprendizado de uma profissão a 200 jovens que foram destituídos de suas famílias por maus tratos ou abandono; entre outras iniciativas voltadas ao desenvolvimento da comunidade em diversas cidades do país, não só onde está presente.


Por fim, em nome da transparência e respeito ao direito à informação, se quiser saber mais sobre a posição da Monsanto frente aos assuntos abordados no material produzido pela jornalista Marie-Monique Robin, acesse (www.monsanto.com.br/monsanto/para_sua_informacao/documentario_frances.asp) .


Atenciosamente,


Monsanto do Brasil