Home office – Um caso real

Nada melhor do que falar sobre home office com alguém que vive isso na prática. Daí procurei alguém com experiência no assunto. Acabei chegando no Moacir. Preparei um questionário com perguntas que vieram na minha mente. O interessante é que eu falei ao Moacir que eu gostaria de entrevistá-lo mas que, provavelmente, eu não publicaria seu nome pois queria respostas muito sinceras para perguntas difíceis, e colocar o nome dele poderia expô-lo de maneira negativa. Mas depois da entrevista, ficou claro que a experiência de Moacir é muito positiva e decidimos, juntos, colocar a entrevista por inteiro, com nome e tudo. Mantive os termos e o estilo de sua linguagem, o que é interessante para mostrar como cada empresa tem o seu “idioma próprio”.

Apresento a vocês Moacir F. Sousa, Especialista de Suporte da IBM Brasil (IT Specialist). Ele trabalha na IBM Brasil desde 1996. Moacir é casado há 20 anos e tem 3 filhos.

Eis a entrevista:

1- Você trabalha em home office desde quando?
Comecei em fevereiro de 2006, quando voltei a morar em Timóteo, cidade do interior de Minas Gerais.

2- Como você “virou” home office? Foi a seu pedido? Foi a pedido da empresa?
O home office me foi oferecido pela IBM, como estratégia de retenção, diante de um quase pedido de demissão que pretendia fazer. Eu nasci e fui criado na região conhecida como Vale do Aço, onde ficam localizadas importantes siderúrgicas como Usiminas e Acesita. Minha família e a de minha esposa são daqui. Trabalhei muito tempo em Timóteo pela Acesita, até que veio a terceirização e eu virei funcionário da IBM em 1996. Depois de 5 anos, em 2001, eu me mudei para o interior de São Paulo pela IBM onde passei só 1 ano. Acabei voltando para Timóteo em 2002, até que em 2004 por diversas razões me mudei novamente para o interior de São Paulo. Em 2005, eu desejava muito voltar a morar no interior de Minas e já estava prestes a aceitar uma oferta interessante de emprego, embora eu não tivesse razões profissionais para deixar a IBM. Minha decisão era pedir demissão para voltar para Timóteo. Ao comunicar para minha gerente na IBM, eu acabei recebendo a oferta do home office, como solução para voltar pra Timóteo sem deixar a empresa.

3- Qual é a sua rotina diária? Como funciona o seu horário?
Meu horário, digamos, oficial, é de 9 às 18 horas, com 1 hora de almoço. Por estar alocado em contas internacionais, fusos horário e DST (horário de verão nos EUA e aqui), esse horário altera. Por exemplo, desde Novembro tenho trabalhado de 11 às 20 hs. Com relação a feriados, estou folgando os do Brasil, em acordo com os dois virtual teams aos quais estou alocado. Por convenção entre os times, usamos salas de bate-papo, onde todos ficam “logados” enquanto trabalhando. Atualmente fico logado em 3 salas. Usamos muito Sametime (mensagem instantânea da Lotus) e reuniões por telefone.

4- Quais são as suas principais atividades diárias? O seu trabalho exige muita interação com pessoas?
Como suporte, fazemos parte do time que atende uma conta e estamos a maior parte do tempo envolvidos com changes and problems. Changes podem ser novas versões dos produtos ou das máquinas, novos patches de seguranca, novas funcionalidades nas aplicações. Problemas, com suas diferentes severidades, também são muito frequentes. São muitas reuniões, toda semana. Muita interação com pessoas, sim! Temos reuniões semanais dos times virtuais, a maioria delas com dia e horário fixos. Existem também as reuniões fixas de Change Management. E ainda reuniões com as lideranças das contas que atendemos.

5- O que é mais legal no home office? Quais os ganhos?
No meu caso eu diria, além do maior contato com esposa e filhos, o fato de poder morar onde se gosta e esse lugar escolhido pode ter ainda um custo menor com mais qualidade de vida. Diante de um necessidade de trabalhar a noite, não preciso sair de casa (como já tive que fazer tantas vezes).

6- O que mais incomoda você no home office? Quais as perdas?
O contato pessoal e informal com as pessoas do time e de outros times faz falta, principalmente no início. Ficar por dentro das “fofocas” (ou rádio peão, como chamamos por aqui). Ficar um pouco por fora da sinergia criada para, por exemplo, estudar para uma certificação. As provas acontecendo no Centro de Serviços da IBM em Hortolândia, no interior de São Paulo, o pessoal se reúne, combinam de estudar juntos e agendam a prova juntos.

7- Para uma pessoa que trabalha em home office, é importante ter um espaço na casa exclusivo para isso?
Com certeza, sim! Pra deixar claro que, estando lá, estou trabalhando – como se estivesse “lá no escritório”. Evita interrupções desnecessárias.

8- A sua esposa e filhos respeitam o seu trabalho em casa? Como você separa as rotinas de familia e a sua?
A nova rotina “com o pai em casa” exigiu um treinamento no início. Mas hoje, próximo de completar 4 anos, a rotina está estabelecida. Eles já acostumaram com a idéia de me ter por perto, mas não disponível.

9- Como é o seu relacionamento com seu chefe? Funciona?
Desde que voltei pra Timóteo, já mudei de gerente 5 vezes. O atual já começou gerenciando o time espalhado. O relacionamento funciona sim, usando as ferramentas normais. Avaliações acontecem por telefone e os contatos do dia-a-dia por sametime e email.

10- Como é o relacionamento com seus colegas de trabalho? Você conhece pessoalmente? Você não acha que a distância prejudica a integração e o clima?
O time ao qual pertenço possui várias pessoas em home office. Conheço a maioria pessoalmente. Estou escrevendo agora do Centro de Serviços da IBM em Hortolândia. Estou conhecendo mais alguns, principalmente os que entraram recente no time e ficam aqui. Nos times virtuais, americanos, canadenses, australianos e chineses também trabalham de suas casas e com eles a integração é sempre a distância.

11- O fato de estar em home office coloca você em desvantagem perante os seus colegas que estão no escritório em relação as chances de promoção e oportunidades de desenvolvimento? Você se sente discriminado?
Atualmente, o coordenador do time é um “home office” que mora em Curitiba. Os team leaders dos times virtuais são americanos trabalhando de suas casas. Não me sinto discriminado de forma alguma. Em relação as chances de promoção e oportunidades, creio que para alguém buscando um ascenção, estar mais presente no escritório seria um fator utilizado na escolha.

12- Você acha que o seu chefe e colegas são capazes de conhecer realmente o que você faz estando remotamente?
A forma de trabalho atendendo tickets (changes and problems), estar presente em meetings, respondendo emails, e ainda disponível no sametime e na sala de bate-papo (IRC), essas coisas somadas dão uma boa idéia do que se anda fazendo. Emails dos clientes agradecendo e elogiando, um Thanks! recebido ajudam na comprovação, não só do que se fez, mas também da qualidade. Isso tudo vai convergir pra uma entrevista de avaliação e uma nota.

13- Você se sente parte da empresa? Como é este espírito de “estar longe de onde as coisas acontecem”?
Muitos dos meu teammates também estão em casa. O fato de estar em virtual teams, mesmo se estivesse no Centro de Serviços de Hortolândia, estaria longe de onde muitas das coisas estariam acontecendo. Considero um grande diferencial da IBM proporcionar uma experiência como essa e isto me faz sentir mais parte dela e sem demagogia, de querer ver a coisa funcionando, ver o mundo ficando mais “smart”.

14- Qual o tipo de infraestrutura que você tem casa para o seu trabalho? Telefone, notebook, banda larga, etc.
Tenho o notebook da IBM, com o AT&T Net client instalado e um acesso banda-larga de 1 MB. Isso seria digamos, o básico. Tenho ainda o Cisco Sofphone que é um software de telefone por IP, conectado a central telefônica de Hortolândia, que disponibiliza um ramal no meu computador. Tenho um telefone fixo com viva-voz e secretária eletrônica e um celular exclusivo de trabalho.

15- O que a empresa fornece para você?
A IBM reembolsa o meu gasto com banda-larga e paga a conta do celular, com exceção das chamadas particulares que eu faça. Recebi reembolso de uma parte do valor do aparelho de telefone fixo quando o adquiri. Nunca pedi reembolso de nenhuma outra despesa como tinta de impressora, material de escritório em geral, embora esteja previsto para casos como o meu.

16- O que você acha que a empresa deveria fazer ou prover para melhorar a performance e trabalho do home office? Melhorar comunicação? Ferramentas de trabalho? Programas de RH diferenciados?
A minha escolha de morar distante de Hortolândia gera alguns transtornos que seriam evitados se eu estivesse um pouco mais perto. E eu não espero que a empresa consiga oferecer numa cidade como Timóteo o que já existe disponível nos locais de muitas pessoas.
A infra de conexão com a rede da IBM é bem estável (AT&T). Os notebooks são muito bons, duráveis. Os procedimentos de atualização de anti-virus e segurança ajudam a manter o trabalho constante. O que eu diria que precisam ainda ser melhorados são alguns processos que não foram repensados em termos de home office, por exemplo: exame médico periódico, questões sindicais que dependem de se apresentar um formulário escrito e entregue pessoalmente; pedidos de reembolso que precisam de documentos originais. Para coisas como essas ainda não existe uma identificação e definição do tipo, essa pessoa é home-office, mora em tal lugar, portanto vamos fazer assim…. Eu preciso ligar pra uns e outros, explicar a situação e aguardar que decidam como vai ser.

17- Se você tivesse que dar um conselho para quem pensa em home office, o que você daria?
Como em toda decisão na vida, avaliar os prós e os contra com base naquilo que considera ser mais importante na sua vida. Numa edição recente da revista Veja, entrevistaram um médico famoso, o número 1 do Brasil em sua especialidade. Em algum ponto da entrevista ele disse algo como “só lamento não ter tempo pras minhas filhas, não poder vê-las crescer.” Ser home office talvez não vai ajudar você a ser o número 1, mas tempo pra ver os filhos crescerem, com certeza, você terá mais!!

18- O que seus amigos falam quando você conta que trabalha em home office?
Alguns ex-IBM dos tempos da Acesita e pessoas da area de TI acham que tenho o emprego dos sonhos! Outras pessoas acham que não conseguiriam ficar o dia todo em casa e que recusariam uma oferta. Pra maioria não muito ligada em tecnologia causa confusão. Alguns pensam que por estar em casa eu trabalho se eu quiser. Outros acham que por ser home office, estou disponível pro trabalho 24x7x365.

19- O Home office para você funciona como uma retenção no trabalho e na empresa?
O meu é um típico caso de retenção. Foi a oferta de home office que evitou a minha saída da IBM e que agora me faz pensar muito quando recebo uma oferta de emprego ou um convite de amigo.