O e-mail não será extinto até 2015

Recentemente, Cezar Taurion, Ger. de Novas Tecnologias da IBM, participou de um evento onde, segundo os jornais, soltou a seguinte frase: “O e-mail deixará de existir dentro de cinco a sete anos”. Claro que ele disse isso dentro do contexto do painel em que participava, mas a frase foi suficientemente impactante para gerar repercussão. Aí alguém fez a conta. Estamos em 2008, somando sete, dá 2015. Pronto, já temos data para que o e-mail desapareça da face da Terra, da mesma forma que os dinossauros. Agora, Taurion será cobrado eternamente dessa tal previsão.

O mais incrível é que a notícia repercutiu forte. No mesmo dia, ao longo do evento, um veículo online publicou uma matéria com o seguinte título: “E-mail deve ser extinto até 2015”. Imediatamente o milagre da multiplicação começou. A notícia foi replicada nos onlines e nos blogs, com o mesmo título. Bastou o tempo de fazer um “cut and paste” para publicar a matéria. Prá confirmar o fenônemo, eu resolvi entrar no Google e digitar exatamente a frase que estampei acima. O Google apontou centenas de entradas. Ou seja, a notícia vem sendo copiada por aí indiscriminadamente, em veículos online importantes e blogs de grande popularidade.

Infelizmente, para nossa tristeza, o e-mail não vai acabar em 2015. O que Taurion deve ter dito foi algo do tipo: “O e-mail, dentro de cinco a sete anos, deixará de ser o principal de canal de comunicação entre pessoas e empresas”. Para tirar a dúvida, vejam esse post que Taurion publicou em seu blog na véspera do tal evento. Lá explica o que ele planejava falar no painel. Ele diz que a geração Y dedica um tempo enorme, diário, a softwares de mensagem instantânea (como MSN) e sites de relacionamento e que os jovens querem essa nova tecnologia dentro do trabalho. Por outro lado, as empresas têm enorme dificuldade de lidar com essa nova tecnologia, alegando falta de controle e improdutividade no ambiente de trabalho. Essa nova geração não gosta de e-mails e de ferramentas de baixa interatividade. Em algum momento, essa nova geração vai assumir os postos gerenciais e de decisão nas empresas, até lá vamos passar por uma grande transformação.

Hoje eu participei de um evento na ABERJE-Rio que teve a presença de 160 profissionais de comunicação. Perguntei à platéia, se as empresas, em que trabalhavam, permitiam aos funcionários acessarem e usarem MSN e redes sociais em seus ambientes de trabalho (orkuts da vida). Aproximadamente metade da audiência respondeu que tinha acesso ao MSN em seu trabalho, mas menos de 1/3 respondeu dizendo ter acesso às redes sociais ou facilidade para criar blogs. Ou seja, as empresas ainda estão engatinhando nesse novo mundo interativo digital.


Enfim, não deixe de ler o post do Taurion e constatar que o email não vai terminar em 2015.