Os executivos não blogam porque eles têm coisas mais importantes para fazer

Texto publicado no Nós da Comunicação.

Uma pesquisa no ano passado, publicado pelo site UBERCEO, mostrou que os executivos realmente estão distantes das redes sociais, e os principais motivos são os riscos que as redes podem trazer para a reputação da empresa, pelo vazamento de informações estratégicas, pela falta de conhecimento em como lidar com as redes e pela paranoica percepção de que o acesso livre às redes gera improdutividade do funcionário.

Uma pesquisa feita por mim junto a CEOs de algumas empresas, recentemente, apontou dez motivos por que os executivos não blogam.

Sabendo que sou estudioso do tema redes sociais nas empresas, muitos colegas me perguntam qual é a minha visão pessoal a respeito dos executivos não blogarem. Pois bem, eu tenho uma visão bem simplista a este tema e desculpe se ela vai decepcionar você. Os executivos não blogam porque eles têm coisas mais importantes para fazer. Tão simples quanto isso.

Imagine a situação de um executivo que está assoberbado de tarefas e, de repente, chega uma tuitada dizendo que o banheiro do terceiro andar está sujo e que isso é um absurdo, que a empresa deveria se preocupar mais com o banheiro dos funcionários, e blá, blá, blá. O que o executivo deve fazer? Ele deve parar o projeto estratégico da empresa de ‘transformar o mundo’ e cuidar de chamar alguém para limpar o banheiro ou… ele não deve dar ouvidos para aquele funcionário chato que resolveu reclamar do banheiro com o cara errado?

Os executivos, especialmente os presidentes, estão focados em cumprir os objetivos assumidos com a empresa e seus investidores, em criar relações sadias e duradouras com a sociedade, em atender e surpreender seus clientes, etc etc. As metas são desafiadoras e os planos arrojados, quase impossíveis. Colocando tudo isso na balança, fica quase evidente que blogar não parece algo tão prioritário assim. Ahhh, soma-se a isso o velho dilema da falta de tempo, que é algo real… e vai sempre piorar.

Investir num blog só vale a pena para alguém que tenha realmente o que falar. Se o executivo precisa falar com diversos públicos e identifica um blog como um canal adequado, então é hora de ir a luta e investir num projeto desse tipo.

Tenho que reconhecer que blogs e redes sociais têm um enorme poder de causar distração, de tirar você do foco. Analise você mesmo ao navegar na internet. Você começa por um caminho e, em menos de 10 minutos, você já está navegando por outros mares, vendo e fazendo outras coisas que não pensou inicialmente. Aplique este mesmo conceito na vida de um executivo e você verá o poder de destruição que isto pode causar em sua agenda de prioridades. No fundo, no fundo, blogar é uma delícia, mas a obrigatoriedade de blogar é um saco… e a obrigatoriedade de blogar ‘certo’ é pior ainda.

Tudo isso é uma pena. Eu acho que um blog seria um espaço perfeito para os executivos falarem o que pensam. Atualmente os CEOs são muito controlados para falar publicamente. Qualquer coisa impacta as ações na bolsa, os clientes, os funcionários e a sociedade. Eu, confesso, faço parte da turma que coordena relações públicas numa grande empresa e ajudo na construção desta percepção a respeito dos CEOs. Isso tudo transforma os comandantes das empresas em seres arredios a emitir opinião própria, especialmente as negativas e polêmicas, eles quase sempre seguem a visão da empresa a respeito de determinado assunto.

Seria maravilhoso para sociedade ver os executivos contribuindo para a blogosfera. São pessoas mais experientes, com muito conteúdo, que contribuiriam para uma discussão melhor e mais rica. Infelizmente a internet está abarrotada de pessoas que contribuem pouco, a maioria participa de forma muito superficial. Como diz a Lucy Kellaway, colunista do ‘Financial Times’: “a maioria das pessoas entra na internet para esculhambar algo ou alguém, é um grande passatempo global“.