Quando a inteligência artificial chega ao museu

Quando a inteligência artificial chega ao museu

Quando a inteligência artificial chega ao museu

1280 960 Mauro Segura

Nessa semana a Pinacoteca de São Paulo abre as portas ao público para uma experiência diferente.

Tradicionalmente, nós visitamos os museus da mesma forma: olhando silenciosamente as obras expostas, não entendendo muito bem determinadas coisas e nos sentindo impossibilitados de obter respostas para as nossas perguntas.

Agora imagine se você tivesse em mãos um assistente cognitivo, que você pudesse fazer qualquer pergunta, da forma que quiser, para responder suas dúvidas sobre as obras de arte expostas. É essa a proposta do projeto “A Voz da Arte”, que entra em cartaz nessa semana. O projeto foi desenhado pela IBM Brasil, em conjunto com a Ogilvy e as equipes da Pinacoteca. Através da tecnologia Watson de inteligência artificial, os visitantes da Pinacoteca poderão interagir com 7 obras de arte que fazem parte do acervo. É um projeto inédito no Brasil, permitindo uma experiência completamente diferente dentro do museu, uma experiência única, divertida, interativa e individualizada.

O vídeo abaixo foi feito por mim e mostra como funciona essa experiência na prática. Mas não se limite a museus, extrapole a sua imaginação. Pense no potencial que a inteligência artificial, como a tecnologia Watson, pode exercer em outras áreas. Pense na sua profissão. Pense em ter um assistente virtual que possa ajudar você a reponder perguntas sobre qualquer área do conhecimento humano. Pense no potencial da aplicação dessa tecnologia na área de marketing. Pense em você como consumidor, ao ver um produto e interagir com ele, perguntando detalhes de como foi produzido, dúvidas de uso, data de validade ou qualquer outra coisa.

O que temos na Pinacoteca é um pequeno souvenir do que temos diante de nós. O futuro está muito mais perto do que a gente imagina.