Quando parece que o problema é de comunicação interna, mas não é

Veja o caso que tomei conhecimento recentemente. Este foi contado por um colega.

Ele foi visitar um cliente, que é uma empresa que vem crescendo de forma acelerada e contratando milhares de novos funcionários. Cada novo funcionário, ao completar 3 meses de trabalho, tem que preencher uma pesquisa falando sobre sua experiência de entrada na empresa: o que aprendeu, suas primeiras percepções, se já entende a organização, se conhece as principais estratégias da empresa, os seus valores, etc.

Após 1 ano de aplicação desta pesquisa aos novos funcionários, a empresa decidiu fazer uma análise e a conclusão foi que havia um sério problema de comunicação interna, a principal razão é que os novos funcionários mostravam desconhecer informações básicas da empresa. Suas respostas evidenciavam que eles não estavam à vontade no trabalho e que tinham dificuldades de entender quem era quem na empresa.

Aí não deu outra. Logo que saiu o resultado desta análise, o líder de comunicação da empresa recebeu um pedido: “Precisamos melhorar urgente a comunicação interna para o novo funcionário”. O diagnóstico mostrava que a solução estava na comunicação interna.

A primeira reação do gestor de comunicação foi reformular todo o processo de comunicação interna. Ela já havia até pensado em mudar alguns veículos internos, gerar mais conteúdo, etc. Mas ele ficou confuso ao analisar com mais cuidado o que a área de comunicação interna produzia, o trabalho do pessoal parecia ser muito bom. Daí resolveu investigar.

Não satisfeito com a pesquisa que tinha em mãos, ele decidiu procurar alguns ex-novos funcionários para conversar. Foi a luta e colecionou alguns comentários realmente intrigantes:
– “Os primeiros dias foram difíceis porque eu nem tinha cadeira para sentar”;
– “Nunca ninguém me apresentou para os meus novos colegas de trabalho. Eu fui me apresentando sozinho”;
– “A dificuldade não foi saber a organização, isso a gente recebeu por escrito, o difícil foi descobrir como funcionam as coisas, entender a cultura da empresa, etc”;
– “Nos primeiros 3 meses o meu gerente nunca me chamou para a reunião de departamento. Aliás, a gente se falou muito pouco. Continua assim até hoje”.

A conclusão foi que o problema não era exatamente da comunicação. O que estava acontecendo é que os gerentes não estavam preparados para receber os novos funcionários. Eles não dedicavam o devido tempo para os novatos, não tinham tempo para conversar e compartilhar um pouco da cultura corporativa. A maioria dos novos funcionários disseram que se sentiram órfãos nos primeiros meses.

O gestor de comunicação apresentou suas conclusões para Recursos Humanos. Apesar da reação inicial, eles montaram um grupo de trabalho e concluíram que o problema não era realmente de comunicação para o novo funcionário, mas sim de comunicação para os gerentes!!!! A empresa conseguiu amenizar os problemas trabalhando com afinco numa comunicação e educação direcionada para os gerentes, quando tudo indicava outra causa.

Tirei três aprendizados deste caso:

1- Nunca acredite totalmente nas pesquisas. Ou, se preferir, estude e questione muito a pesquisa antes de tirar qualquer conclusão. Entenda como ela foi feita e se ela fez as perguntas certas;

2- Tenha a mente sempre aberta quando o assunto for comunicação interna nas empresas. Muitas vezes o problema é atribuído à comunicação indevidamente. Aliás, quase sempre;

3- Pense sempre em fazer comunicação direcionada para os gerentes, especialmente nas grandes empresas. Na maioria da vezes ela vai resolver problemas ou desafios que não parecem estar relacionados aos gerentes.