Redes sociais: o perfil no Twitter é do funcionário ou da empresa?

Redes sociais: o perfil no Twitter é do funcionário ou da empresa?

Redes sociais: o perfil no Twitter é do funcionário ou da empresa?

150 150 Mauro Segura

Imagine essas duas situações: uma é ficção e a outra é super real, acontecendo agora.

Primeiro a ficção.

Você trabalha numa grande empresa, respeitada e de vanguarda. Por decisão corporativa, o uso de mídias sociais é incentivado, sendo inclusive uma ferramenta importante para os seus negócios, no relacionamento com clientes e com o mercado. Muitos funcionários, independentemente de sua posição na hierarquia, executivos ou não, possuem blogs, Twitters e contas nas principais mídias sociais, onde falam sobre a empresa, o mercado, as tendências e compartilham conhecimento.

Um desses profissionais, gerente sênior da empresa, cria um Twitter onde compartilha notícias e conhecimento de sua área de atuação. O fato de trabalhar naquela empresa reforça a credibilidade e dá credenciais para o seu reconhecimento pelo mercado. Em vários anos atuando regularmente no Twitter, ele alcança 20 mil seguidores fiéis. Vira um porta-voz real da empresa, tornado-se uma voz influente juntos aos clientes e formadores de opinião na área de atuação da empresa. A organização apoia e reforça o Twitter dele como um canal relevante para comunicação externa da empresa, alavancando e dando mais visibilidade a ele.

Surpreendentemente, quase 4 anos após o lançamento de seu Twitter, ele recebe uma proposta de emprego e sai da empresa. Ao deixar a empresa, ele anuncia sua decisão aos seus 20 mil seguidores no Twitter. Mais surpreendentemente ainda, o seu número de seguidores não cai, em pouco tempo aumenta e ele continua sendo um influenciador de mercado.

Perguntas:

Se você fosse o líder da empresa, o que você faria?
Será que a empresa agiu certo alavancando o Twitter desse profissional?
A empresa pode alegar propriedade sobre o Twitter dele?
A empresa pode proibir que o ex funcionário continue usando o antigo Twitter?

A história acima é uma ficção, mas bem que poderia ser real.

Agora vamos para uma história real, que foi publicada no mês passado no site da BBC e no NY Times. Duas matérias que merecem ser lidas.

O resumo é simples: um ex funcionário está sendo processado por manter seguidores no Twitter que ele atraiu enquanto trabalhava na empresa.

Durante 4 anos, Noah Kravitz, 38 anos, “twittou” para a empresa Phonedog como @Phonedog_Noah. Durante esse tempo, conseguiu 17 mil seguidores no Twitter. Essa era a marca quando ele saiu da empresa em outubro de 2010, quando mudou seu nome no Twitter para @noahkravitz

Oito meses depois de ter deixado a empresa, a PhoneDog processou o ex funcionário, alegando que a lista de seguidores de @Phonedog_Noah era uma lista de clientes da empresa e que tinha investido recursos substanciais para construí-la. O processo contra o ex funcionário envolve a indenização de U$ 2,50 por mês por seguidor por 8 meses, o que dá um total aproximado de 340 mil dólares (segundo o NY Times são 370 mil dólares). Noah afirma que seu ex patrão autorizou que ele continuasse usando a conta depois que saiu da empresa. Hoje, janeiro de 2012, @noahkravitz tem mais de 26 mil seguidores.

Texto publicado no blog da CRN e no blog Midia8