Raul, o que é um bilogue?

O presidente chamou a secretária e perguntou: – O que é um bilogue?

A secretária olhou para ele e respondeu: – Eu não sei dizer direito o que é não. É alguma coisa da internet que o pessoal escreve. É melhor chamar o Raul.

O presidente mandou chamar o Raul, gerente de comunicação da empresa.

– Raul, o que é um bilogue?

Raul respondeu:
– É uma espécie de site na internet, onde alguém escreve e as pessoas lêem, comentam etc. E não é bilogue, é blogue.

O presidente disse:
– Sei… e o que você acha disso?

– Acho bem legal.

– Só isso? É fácil fazer um??

Raul reagiu:
– Aí, eu não sei. Eu não sou de TI, mas tenho alguém no meu grupo que cuida disso. Vou chamar o Rodriguinho.

– Rodriguinho? Quem é o Rodriguinho?

– O estagiário. Ele sabe dessas coisas.

– Então, chama esse tal Rodriguinho.

Cinco minutos depois, chega o “rapazinho”, de vinte e poucos anos de idade, cabelo espetado, camisa amarrotada, sorriso farto.

Raul recebeu o garoto exclamando:
– Rodrigo, quero te apresentar o presidente da empresa.

Rodrigo esticou a mão e deu um vigoroso aperto de mãos no presidente.

Raul continuou:
– O presidente me perguntou se é fácil fazer um blogue.

O estagiário respondeu:
– É muito fácil. Com um provedor da internet, dá pra fazer um um blog em cinco minutos. E um blog legal, com layout manêro, imagem e tudo. E o próprio provedor pode “hostear” o blog. Vale a pena. É muito fácil.

O presidente olhou com “cara de conteúdo”. Pelo visto, não tinha entendido bem. E, para não perder a conversa, perguntou:
– Você acha legal a empresa ter um bilogue?

Rodrigo se motivou:
– É muito legal. As pessoas podem se falar, trocar ideias, a qualquer hora do dia ou da noite, e você pode falar também com pessoas que nem conhece, até fora do país. Tem blog por aí com milhares de pessoas participando.

O presidente olhou para o Raul e afirmou:
– A nossa empresa precisa ter um bilogue.

Raul, o gerente de comunicação, dando de ombros, respondeu ao presidente:
– Mas a gente já tem um…

Claro que a história acima é somente uma parábola. Mas ela ilustra os seguintes fatos que ocorrem na maioria das empresas:

1. A maioria dos executivos negligencia o uso das mídias sociais e não veem relevância nisso. Mas essa mentalidade está mudando. Eles estão começando a perguntar aos “Rodriguinhos” a respeito.

2. Esses mesmos executivos não sabem ou pouco participam das iniciativas de mídias sociais que estão sendo implementadas nas empresas que lideram.

3. Muitos líderes de comunicação e marketing ainda têm dificuldade em lidar com mídias sociais e acompanham tais iniciativas de longe, pois o “core” de suas atividades ainda são a propaganda tradicional, o press relations etc.

4. A maioria dos profissionais de marketing das empresas não frequenta ou participa de blogs e redes sociais. Eles deveriam liderar esse movimento nas empresas, mas não o fazem. São observadores e não protagonistas.

5. Na maioria das empresas, os projetos de mídias sociais estão com estagiários e/ou com profissionais muito jovens, com baixo poder de decisão, e que muitas vezes trabalham distante das outras atividades “core” de marketing e comunicação.

Enfim, essas são visões gerais. Por outro lado, já existem muitas empresas inovando e empreendendo em mídias sociais. Estamos numa curva de aprendizado, onde todos somos alunos e professores uns dos outros nessa estrada. A conversa acima parece ser utópica, mas tenha consciência de que algo parecido deve rolar em muitos escritórios por aí.