Quando o speech não convence

Hoje, no programa da rádio Band News FM, por volta das 7 da manhã, Ricardo Boechat comentou algo que eu e um colega havíamos conversado ontem. Ele comentou a respeito das recentes declarações do Presidente Lula dizendo que a crise já havia diminuído. Boechat disse que esse tipo de comentário é muito complicado pois a realidade dos fatos não mostra isso. O Presidente soltou essa frase sem dar evidências ou dados para sustentar sua afirmação.

Nós, que no dia a dia do trabalho gerenciamos a comunicação interna e externa na empresa, temos uma preocupação enorme em tratar esse momento difícil que o mundo vive de maneira bem pragmática e realista. Estamos sempre atentos em não alavancar a crise, mas sim municiar nossos funcionários com diversos pontos de vista e informações de várias fontes, algumas mais otimistas e outras até pessimistas, mas cabe a cada um entender e tirar o próprio entendimento da crise. Essa transparência e objetividade não tira a visão otimista que nós temos internamente a respeito dos negócio das companhia. Aqui cabe uma explicação. Como companhia de TI (Tecnologia da Informação), nós da IBM entendemos que nas épocas de “cobertor curto”, as empresas buscam aprimorar seus modelos de negócio, buscam também inovação e mais eficiência operacional. Nesse contexto, a tecnologia passa a ser um instrumento importante para transformação das empresas. O segmento de TI encara o atual cenário como uma tremenda oportunidade de negócio e de ajudar a sociedade a melhorar de maneira geral.

Em momentos de aperto como vivemos agora, é necessário que a liderança da empresa assuma o comando e dê a direção para os comandados. No entanto, isso deve ser feito de maneira equilibrada, onde mais do que nunca é preciso mostrar evidências que sustentem o speech e o clima que o líder está tentando construir.

Não existe nenhuma evidência que a crise tenha diminuído, portanto não é conveniente passar uma mensagem que não condiz com o que cada um de nós está lendo nos jornais. Seria mais ou menos falar para todos que o dia hoje será lindo quando você olha pela janela e vê uma chuva torrencial sob um céu negro.

Eu entendo que o Presidente Lula, como líder da nação, tem que ser ser otimista e sinalizar para o povo um cenário mais positivo e melhor que o atual. O problema todo ocorre quando ele fala sem dar evidências. É um speech que não convence.

Esse pequeno exemplo é uma lição para quem trabalha comunicação empresarial, onde muitas vezes criamos bons speechs, porém vazios de conteúdo real e palpável. Antigamente isso até dava certo, mas hoje cada pessoa está cercada de informação o tempo todo, os fatos estão a um click de cada de nós, não dá mais para falar sem mostrar.

Pegando carona no post, não posso deixar de comentar uma frase que o Presidente falou ontem. Ele disse que os problemas financeiros mundiais foram causados por “gente branca de olhos azuis”. Ele falou isso numa reunião internacional repleta de gente branca de olhos azuis…
Qual foi o resultado disso? A frase foi capa de quase todos os jornais nacionais e internacionais. Todos os blogs estão comentando isso. Gerou desconforto e desgaste de imagem do Presidente. Obviamente que o Presidente falou isso de improviso e num momento de inspiração, o problema é que essa frase obscureceu todas as outras mensagens que ele passou no evento. Aqui fica outra lição. Em eventos de grande relevância nós devemos evitar o improviso. O improviso tem que ficar em salas fechadas e longe da imprensa.